Paciência de Jó


 

Todos nós sabemos a importância de termos paciência no nosso dia-a-dia. Para grande parte das pessoas as alternativas são: exercitar a paciência ou estar cada vez mais perto de “curto-circuitos”. Quantas vezes a gente fala ou pensa: “haja paciência, paciência de Jó”.

Mas o que significa ter “paciência de Jó”?

Jó é uma figura bíblica, do Antigo Testamento. Ele era um homem rico, com família grande, uma pessoa muito correta e temente a Deus. Certo dia, o diabo fala para Deus que Jó só era temente a Deus porque vivia na prosperidade. E Deus permitiu que coisas ruins acontecessem  a Jó, e assim, o diabo poderia verificar que a fé não está condicionada aos pertences do mundo, que a fé é uma relação profunda entre Deus e seus filhos.  Então, em um único dia, as plantações de Jó foram destruídas, seus rebanhos dizimados, sua familia inteira também morreu… e mesmo assim, com o coração aos pedaços, Jó diz que “Nu eu saí do ventre de minha mãe, e nu para ele voltarei. Deus me deu tudo e Deus tudo me tirou. Bendito seja o nome de Deus”. Não satisfeito, o diabo também lhe tirou a saúde. Eis que aqui começa o grande ensinamento de Jó, que é mais amplo do que sua paciência exemplar. Jó começa a lutar para provar sua inocência, pois naquela época essas desgraças eram vistas como castigos de Deus pelos pecados dos homens, e os amigos de Jó estavam acusando-o. Jó se defente, Jó luta, Jó quer falar diretamente com Deus e questioná-lo, mas isso tudo com a firme esperança de que Deus lhe abrasaria o sofrimento.

Isto é, ter paciência para enfrentar todas as dificuldades da vida, confiando que as coisas estão acontecendo para o nosso aprendizado, confiando que as coisas irão realmente melhorar… mas não uma paciência passiva e sem frutos. A lição de Jó é ter uma paciência ativa, que luta, que questiona, que busca respostas, mas que continua confiando. Paciência é diferente de comodismo!!!

Ah! Ao final da história, Jó recebeu tudo em dobro…

Deixe um comentário